domingo, 27 de maio de 2012

"Década de 2010" (Personalidades - Sônia Braga)




Sônia Braga


Sônia Maria Campos Braga (Maringá, 8 de junho de 1950) é uma atriz brasileira. Filha de Hélio Fernando Ferraz Braga e Maria Braga Jaci Campos, figurinista natural de Maringá, é irmã de Júlio, Ana e Hélio e tia de Alice Braga, também atriz. Sônia Braga estreou na carreira artística aos 18 anos, na peça teatral Hair, da qual foi a grande estrela. No cinema protagonizou importantes filmes, como Dona Flor e Seus Dois Maridos, Eu Te Amo e A Dama do Lotação. Na televisão, um de seus primeiros trabalhos foi na versão brasileira do programa educativo infantil Vila Sésamo (Sesame Street), em que interpretava a professora Ana Maria, mas seus maiores sucessos foram as telenovelas Gabriela e Dancin' Days. A partir de 1985 foi viver nos Estados Unidos da América onde atuou em filmes e programas de televisão, tendo participado da famosa série norte-americana Sex and the City. Foi casada com o guitarrista de jazz Pat Metheny. Após vinte anos vivendo no exterior, em 2006, Sônia regressou ao Brasil para participar de uma telenovela inteira, Páginas da Vida, de Manoel Carlos, onde interpretou uma escultora internacionalmente reconhecida. Sua última participação completa fora em 1980, em Chega Mais. Depois disso, ela participou dos primeiros quinze capítulos da telenovela de época Força de um Desejo, em 1999. Caetano Veloso compôs duas canções inspiradas em Sônia Braga, que são Tigresa, sucesso na voz de Gal Costa, e Trem das Cores. Posou para a revista Playboy em setembro de 1984 e julho de 1986. Em 2007 interpretou a personagem Alice Monteiro em Donas de Casa Desesperadas, versão brasileira de Desperate Housewives. Melhor Atriz no Festival de Gramado, pelo filme Eu Te Amo (1981); Melhor Atriz Coadjuvante em TV no Prêmio Lone Star Film & Television, pela minissérie Laredo, O Último Desafio (1995); Melhor Atriz Coadjuvante do Festival de Gramado, pelo filme Memórias Póstumas (2001). Foi indicada a Melhor Atriz Coadjuvante, no Globo de Ouro pelo filme O Beijo da Mulher-Aranha (1985). Sonia Braga foi elevada à categoria de estrela depois da sua atuação como "Gabriela". Gabriela é uma telenovela brasileira produzida e exibida pela Rede Globo de 14 de abril a 24 de outubro de 1975, às 22h. Escrita por Walter George Durst, adaptada do romance Gabriela, Cravo e Canela, de Jorge Amado, e dirigida por Walter Avancini e Gonzaga Blota, com 132 capítulos. Abordava a seca nordestina e a pacata cidade litorânea de Ilhéus da década de 1920. Foi escolhida pela Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA) como a melhor produção de 1975. Gabriela era uma cabocla (filha de índia com branco) brigona e ousada, que andava descalça e com vestidos extremamente curtos, e muito trabalhadora. A sequência em que Gabriela sobe no telhado para pegar uma pipa entrou para a história da televisão. Foi a primeira novela da Globo a ser exibida em Portugal, na RTP. O sucesso da telenovela no Brasil e no exterior foi o estopim para a produção do filme, protagonizado por Sônia Braga e Marcello Mastroianni e dirigido por Bruno Barreto. Um remake da telenovela está confirmado para iniciar em junho de 2012, sob autoria de Walcyr Carrasco e direção de Mauro Mendonça Filho e com Juliana Paes interpretando a personagem-título, que será exibida no horário das onze horas.

Curiosidades - Reciclagem



A reciclagem é o termo geralmente utilizado para designar o reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo produto. Muitos materiais podem ser reciclados e os exemplos mais comuns são o papel, o vidro, o metal e o plástico. As maiores vantagens da reciclagem são a minimização da utilização de fontes naturais, muitas vezes não renováveis; e a minimização da quantidade de resíduos que necessita de tratamento final, como aterramento, ou incineração. O conceito de reciclagem serve apenas para os materiais que podem voltar ao estado original e ser transformado novamente em um produto igual em todas as suas características. O conceito de reciclagem é diferente do de reutilização. Um exemplo claro da diferença entre os dois conceitos, é o reaproveitamento do papel. O papel chamado de reciclado não é nada parecido com aquele que foi beneficiado pela primeira vez. Já uma lata de alumínio, por exemplo, pode ser derretida de volta ao estado em que estava antes de ser beneficiada e ser transformada em lata, podendo novamente voltar a ser uma lata com as mesmas características. A palavra reciclagem ganhou destaque a partir do final da década de 1980, quando foi constatado que as fontes de petróleo e de outras matérias-primas não renováveis estavam se esgotando rapidamente, e que havia falta de espaço para a disposição de resíduos e de outros dejetos na natureza. No Brasil os recipientes para receber materiais recicláveis seguem o seguinte padrão: Azul: papel/papelão; Vermelho: plástico; Preto: madeira; Laranja: resíduos perigosos; Branco: resíduos ambulatoriais e de serviços de saúde; Roxo: resíduos radioativos; Marrom: resíduos orgânicos; Cinza: resíduo geralmente não reciclável, misturado ou contaminado, não sendo possível de separação. No meio-ambiente a reciclagem pode reduzir a acumulação progressiva de resíduos a produção de novos materiais, como por exemplo o papel, que exigiria o corte de mais árvores; as emissões de gases como metano e gás carbônico; as agressões ao solo, ar e água; entre outros tantos fatores negativos. Os carroceiros ou catadores de papel, que vivem da venda de sucatas, papéis,alumínio e outros materiais recicláveis deixados no lixo também trabalham na colecta ou na classificação de materiais para a reciclagem, como as garrafas PET, como é um serviço penoso, pesado e sujo, não tem grande poder atrativo para as fatias mais qualificadas da população. No Brasil, as prefeituras de sete cidades fornecem serviço de coleta seletiva a 100% das residências. Esses municípios são: Curitiba (PR), Itabira (MG), Londrina (PR), Santo André (SP), Santos (SP), Diadema (SP) e Goiânia (GO). O Politereftalato de etileno, ou PET, é um polímero termoplástico, desenvolvido por dois químicos britânicos Whinfield e Dickson em 1941, formado pela reação entre o ácido tereftálico e o etileno glicol, originando um polímero, termoplástico. Utiliza-se principalmente na forma de fibras para tecelagem e de embalagens para bebidas. As garrafas produzidas com este polímero só começaram a ser fabricadas na década de 70, após cuidadosa revisão dos aspectos de segurança e meio ambiente. No começo dos anos 80, os Estados Unidos e o Canadá iniciaram a coleta dessas garrafas, reciclando-as inicialmente para fazer enchimento de almofadas. Com a melhoria da qualidade do PET reciclado, surgiram aplicações importantes, como tecidos, lâminas e garrafas para produtos não alimentícios. Mais tarde na década de 90, o governo americano autorizou o uso destes material reciclado em embalagens de alimentos. Hoje em dia existe uma grande utilização das garrafas PET no artesanato, fabricação de móveis e decorações.  Com a melhoria da qualidade do PET reciclado, surgiram aplicações importantes, como tecidos, lâminas e garrafas para produtos não alimentícios.  As garrafas produzidas com este polímero podem permanecer na natureza por até 800 anos. A produção cresceu mais, a reciclagem não acompanhou a produção, gerando uma invasão de garrafas de todos os tamanhos e formatos, hoje a produção de PET avançou e é um dos maiores vilões do meio ambiente, poluindo matas, rios e córregos. Apesar do crescente aumento da reciclagem no Brasil, em 1994 foi de 13.000 ton | 18,80%  e em 2006, 194.000 ton | 51,30%, o número de fábricas de reciclagem no Brasil saltou de 175 para 425. Só que sem matéria-prima as fábricas produzem 30% menos do que poderiam. O valioso plástico moído está ficando cada vez mais raro não é por falta de esforço de catadores, sucateiros e cooperativas que fazem um trabalho de formiguinha e ajudam o Brasil a ser um dos países que mais reciclam garrafas pet no mundo. A gente só não ocupa a capacidade das fábricas e não aumenta a produção porque as cidades não estão fazendo a parte delas. O Brasil recicla 56% das garrafas pet, mas ainda desperdiça mais de 100 mil toneladas, por ano, de um material tão útil e, em todos os sentidos, incrivelmente bonito.

quarta-feira, 23 de maio de 2012

"Década de 2010" (Personalidades - Regina Casé)


Regina Casé

Regina Maria Barreto Casé, mais conhecida como Regina Casé (Rio de Janeiro, 25 de fevereiro de 1954) é uma atriz, humorista e apresentadora de TV brasileira. Nascida no bairro de Botafogo. Filha de Geraldo Casé e Heleida Barreto Casé. Os pais de Regina se divorciaram em 1964, e Geraldo casou-se novamente, indo morar na Cidade de São Paulo. Regina ficou no Rio com a mãe e as duas irmãs, Patrícia, nascida em 09 de Janeiro de 1958 e Virgínia, nascida em 02 de Janeiro de 1959. Em 1970, aos 15 anos, Regina Casé entrou para o curso de teatro de Sergio Britto, onde conheceu seu primeiro marido. Aos 20 anos, já familiarizada no curso, Regina fundou com os amigos que fez lá Hamilton Vaz Pereira, Jorge Alberto Soares, Luiz Arthur Peixoto e Daniel Dantas um grupo teatral, no qual batizaram de Asdrúbal Trouxe o Trombone, que movimentou o cenário cultural carioca no final dos anos 1970. Entre os trabalhos do grupo, destacam-se a adaptação de O Inspetor Geral, de Nikolai Gogol, feita em 1974, e que rendeu o Prêmio Governador do Estado de atriz revelação a Regina Casé, a peça Trate-me Leão (1977), de Hamilton Vaz Pereira, pela qual recebeu o Prêmio Molière.
Ainda na década de 70 fez sua estréia no cinema, participando do filme Chuvas de Verão (1978), de Cacá Diegues. Sua carreira inclui atuações em clássicos do cinema brasileiro como Eu Te Amo (1981), de Arnaldo Jabor; Os Sete Gatinhos (1980), de Neville de Almeida; O Segredo da Múmia (1982), de Ivan Cardoso; e A Marvada Carne (1985), de André Klotzel. Também atuou nos filmes Cinema Falado (1986), de Caetano Veloso; Luar sobre Parador (1988), de Paul Mazursky; O Grande Mentecapto (1989), de Oswaldo Caldeira; e Eu, Tu, Eles (2001), de Andrucha Waddington.
Sua estréia na televisão aconteceu na Rede Globo em 1983, com uma participação na novela Guerra dos Sexos, de Sílvio de Abreu. Naquele ano, trabalhou ainda no seriado infantil Sítio do Pica Pau Amarelo, então dirigido por seu pai, Geraldo Casé. Em 1984, integrou o elenco de Vereda Tropical, de Carlos Lombardi e participou do infantil Plunct, Plact, Zuuum II. Também nessa época, integrou o elenco do humorístico Chico Anysio Show. Em 1986, ganhou seu primeiro personagem de grande sucesso em tele-novelas, a Albertina Pimenta, ou simplesmente Tina Pepper, de Cambalacho, escrita por Silvio de Abreu. Tina Pepper foi criada especialmente para a atriz e fez tanto sucesso que Regina Casé chegou a se apresentar com a personagem no Cassino do Chacrinha (1982). Tornou-se nacionalmente conhecida com o programa TV Pirata, humorístico criado em 1988 com a proposta de satirizar a própria televisão. Passou a fazer muito sucesso com comédia, por ser simpática e estar sempre divertindo as pessoas. Em Abril de 1991, estreou o Programa Legal, comandado por ela e Luiz Fernando Guimarães, com direção de Guel Arraes e Belisário Franca. Idealizado por Regina Casé e pelo antropólogo Hermano Vianna, o programa misturava documentário, ficção e humor, e ganhou o prêmio da Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA) na categoria humor. Na mesma época, atuou na peça Nardja Zulpério, monólogo escrito por Hamilton Vaz Pereira e que ficou em cartaz durante cinco anos. Em 1992, foi eleita a melhor comediante do ano pelo júri do Troféu Imprensa, que também premiou o Programa Legal como melhor humorístico da televisão. Apesar da grande repercussão, o programa deixou de ser produzido em dezembro daquele mesmo ano. Sua equipe, porém, passaria a produzir o quadro Na Geral, exibido pelo Fantástico a partir de 1994. Em dezembro de 1992, a Rede Globo transmitiu o especial Brasil Legal, que seria a atração seguinte comandada por ela na emissora, a partir de maio de 1995. Com o programa, Regina Casé viajava o país para mostrar lugares e tipos interessantes ou inusitados, quase sempre anônimos. O término do Brasil Legal, em 1998, foi imediatamente seguido da estréia de Muvuca em 1999, programa semanal comandado por ela e produzido pelo núcleo de Guel Arraes. Depois de quinze anos sem atuar em novelas, participou de As Filhas da Mãe em 2001, de Sílvio de Abreu, Alcides Nogueira e Bosco Brasil, com a colaboração de Sandra Louzada. Em 2002, estreou como autora e diretora de televisão, ao lado do cineasta Fernando Meirelles, com o episódio Uólace e João Victor, que deu origem ao seriado Cidade dos Homens do mesmo ano. Em 2003, apresentou Cena Aberta, de Jorge Furtado, Guel Arraes e da própria Regina, programa produzido pela TV Globo em parceira com a Casa de Cinema, de Porto Alegre. Durante o ano de 2006, comandou o Central da Periferia, programa de auditório ao ar livre voltado exclusivamente para a produção cultural das regiões menos favorecidas do país. A mesma equipe de produção do Central da Periferia era responsável pelo quadro Minha Periferia, exibido semanalmente, aos domingos, no Fantástico. Em 2007, atuou pela primeira vez em uma mini-série, Amazônia, de Galvez a Chico Mendes, de Glória Perez. Com a série de reportagens Minha Periferia é o Mundo, voltou a apresentar um quadro no Fantástico, focalizando a vida dos grandes centros urbanos, agora não só do Brasil, mas do mundo. Em 2009, a biografia dela foi enredo da escola de samba de São Paulo Leandro de Itaquera. No mesmo ano, participou na mini-série Som & Fúria (Rede Globo) e no quadro do Fantástico, Vem com Tudo, além de fazer participação especial no programa Papai Noel ExisteRegina apresentou o programa Esquenta!, durante 4 meses das férias da Globo em 2012, Esquenta trazia atrações musicais e fazia entrevistas com personalidades da música brasileira. No último programa da temporada, Regina Casé prestou uma homenagem a amizade e recebeu o cantor Zeca Pagodinho, padrinho da atração para lançar o DVD “Quintal do Zeca – Ao Vivo”. O trabalho conta com a participação de grandes amigos do cantor, como Beth Carvalho, Arlindo Cruz e Sombrinha.  O irmão camarada Erasmo Carlos conta para Regina Casé sobre a importância da sua amizade com o Rei, Roberto Carlos, e puxa o coro da música “Amigo”. O lutador do UFC José Aldo representa todos os esportistas que já subiram ao palco e mostra o último cinturão conquistado. Regina Casé conversou também com René Silva, medalhista no quesito engajamento social. Ele teve seu blog premiado pela cobertura da pacificação do Complexo do Alemão. Assim, Regina se despediu do seu público até o seu próximo programa.

terça-feira, 22 de maio de 2012

"Década de 2010" (Música - Fábio Jr.)


Fabio Jr.

Fábio Correa Ayrosa Galvão, conhecido como Fábio Júnior ou Fábio Jr. (São Paulo, 21 de novembro de 1953) é um cantor, ator e apresentador brasileiro. Teve vários papéis de protagonista na Rede Globo. Atualmente, está sem fazer novelas desde 1998, seu último trabalho foi na novela Corpo Dourado. Começou na música tocando com os irmãos em grupos como Os Colegiais, Os Namorados, Bossa 4 e Arco-Íris e, mais tarde (em 1971) se lançou em carreira solo gravando canções em inglês (com pseudônimos como Uncle Jack e Mark Davis, sendo que como o último teve um hit, "Don't Let Me Cry", de 1973). Adotou o pseudônimo de Fábio Júnior para não ser confundido com o ator Flávio Galvão e começou a apresentar, ao lado do cantor Sílvio Brito, o programa Hallelluyah!, na extinta TV Tupi. A televisão foi um meio fundamental para a carreira de Fábio. Gravou seu primeiro compacto como Fábio Júnior em 1975. No ano seguinte, participou de sua primeira telenovela, Despedida de Casado, que foi censurada. Sua estréia na tela se deu na novela Nina, mas uniu seus dois talentos em um Caso Especial chamado "Ciranda Cirandinha", na Rede Globo, que se tornou série. No episódio "Toma que o Filho é Teu" lançou a música "Pai", que inspirou a novela Pai Herói, em 1979. Até hoje, esta é sua canção mais emblemática.  Em 1980 atuou pela única vez no cinema, no filme Bye Bye Brasil, de Cacá Diegues. Seu primeiro LP foi lançado em 1981, mas Fábio Júnior não abandonou a carreira de ator, trabalhando nas novelas Cabocla, em 1979, Água Viva, em 1980, O Amor é Nosso, em 1981 e Louco Amor, em 1983, todas na Rede Globo. Em 1983 gravou seu primeiro especial para a TV (Nunca Deixe de Sonhar) e passou a se dedicar somente à carreira de cantor, cuja tradição em baladas românticas já lhe haviam dado o epíteto de sucessor de Roberto Carlos. O casamento com a atriz Glória Pires (garantindo o papel de "casal perfeito", que os levou a representar Romeu e Julieta em um especial de televisão) também garantiu os holofotes necessários ao cantor. Em 1985 voltou à TV com a novela Roque Santeiro e trocou a Som Livre pela CBS. Na nova gravadora, passou a dedicar-se à sua carreira em castelhano, que culminou em 1987, quando ganhara o prêmio "Antorcha de Plata" (Tocha de Prata) no festival chileno de Viña del Mar. Nesse mesmo ano gravou a canção "Sem limites pra sonhar" com a cantora britânica Bonnie Tyler (que cantava a parte da letra em inglês). Em 1982 nasceu sua primeira filhacom Glória Pires, Cléo Pires,  pai de Krizia, Tainá, e Filipe Galvão, frutos do seu casamento com Cristina Karthalian. Foi casado com a atriz Guilhermina Guinle de 1993 a 1998. Em 2001, casou-se com a atriz Patrícia de Sabrit, mas o casal se separou três meses depois. Casou-se pela sexta vez no dia 1 de setembro de 2007 com a modelo Mari Alexandre. Em 2009, teve um filho com a modelo. Como fez vasectomia, Mari precisou utilizar a fertilização in vitro para engravidar. Filipe Galvão conhecido como Fiuk, seu filho com Cristina Karthalian, foi o protagonista da temporada de Malhação que estreou em novembro de 2009 e também a exemplo do pai segue a carreira de cantor.

domingo, 20 de maio de 2012

"Década de 2010" (Ciência - Células-tronco






 
Células-tronco 

As Células-tronco, são de diversos tipos e um verdadeiro tesouro, pois podem originar outros tipos de células e promover a cura de diversas doenças como o Câncer, o Mal de Alzeimer, Cardiopatias, Osteoporose, Doença de Parkinson, Diabetes, Cegueiras, Doenças Renais, Doenças Pulmonar, entre outras. Estamos falando das células-tronco, foco de discussões entre cientistas, leigos e políticos.  Em 29 de maio de 2008 o Supremo Tribunal Federal confirmou que a lei sobre as células-tronco é constitucional, ratificando assim o posicionamento normativo dessa nação. No Brasil a lei permite a utilização de células-tronco produzidas a partir de embriões humanos para fins de pesquisa e terapia, desde que sejam embriões inviáveis ou estejam congelados há mais de três anos. Em todos os casos, é necessário o consentimento dos pais. A comercialização do material biológico é crime. As leis em vigor sobre a clonagem de células-tronco difere de um país para outro. As células-tronco, células-mães ou células estaminais são células que possuem a melhor capacidade de se dividir dando origem a duas células semelhantes às progenitoras. As células-tronco de embriões têm ainda a capacidade de se transformar, num processo também conhecido por diferenciação celular, em outros tecidos do corpo, como ossos, nervos, músculos e sangue. Devido a essa característica, as células-tronco são importantes, principalmente na aplicação terapêutica, sendo potencialmente úteis em terapias de combate a doenças cardiovasculares, neurodegenerativas, Diabetes mellitus tipo 1, acidentes vasculares cerebrais, doenças hematológicas, traumas na medula espinhal e nefropatias. O principal objetivo das pesquisas com células-tronco é usá-las para recuperar tecidos danificados por essas doenças e traumas. São encontradas em células embrionárias e em vários locais do corpo, como no cordão umbilical, na medula óssea, no sangue, no fígado, na placenta e no líquido amniótico, conforme descoberta de pesquisadores da Escola de Medicina da Universidade de Wake Forest, no estado norte-americano da Carolina do Norte, noticiada pela imprensa mundial nos primeiros dias de 2007. Há três possibilidades de extração das células-tronco. Podem ser adultas, mesenquimais ou embrionárias: Embrionárias – São encontradas no embrião humano e são classificadas como totipotentes ou pluripotentes, devido ao seu poder de diferenciação celular de outros tecidos. Adultas – São encontradas em diversos tecidos, como a medula óssea, sangue, fígado, cordão umbilical, placenta, e outros. Estudos recentes mostram que estas células-tronco têm uma limitação na sua capacidade de diferenciação, o que dá uma limitação de obtenção de tecidos a partir delas. Mesenquimais – Células-tronco mesenquimais, uma população de células do estroma do tecido (parte que dá sustentação às células), têm a capacidade de se diferenciar em diversos tecidos. Por conta desta plasticidade, essas células têm sido utilizadas para reparar ou regenerar tecidos danificados como ósseo, cartilaginoso, hepático, cardíaco e neural.  Existem as células-tronco totipotentes ou embrionárias, que conseguem dar origem a qualquer um dos 216 tecidos que formam o corpo humano; as pluripotentes, que conseguem diferenciar-se na maioria dos tecidos humanos, e as células-tronco multipotentes que conseguem diferenciar-se em alguns tecidos apenas. A doutrina da Igreja Católica condena o uso das células-tronco embrionárias porque essas técnicas muitas vezes envolvem a destruição de embriões humanos, considerado uma forma de assassinato gravemente pecaminoso pela Igreja Católica. Investigações científicas com células-tronco embrionárias são chamadas de "um meio imoral para um bom fim" e "moralmente inaceitável." A Igreja apoia o uso de células-tronco adultas, que são células obtidas com o consentimento de alguém e sem pôr em causa a vida do doador, afirmando que é um campo promissor de pesquisa e moralmente aceitável

quinta-feira, 17 de maio de 2012

"Década de 2010" (Música - Donna Summer)

I Feel Love - Donna Summer

Donna Summer (nome artístico de LaDonna Adrian Gaines, Boston, 31 de dezembro de 1948Flórida, 17 de maio de 2012) foi uma cantora pop norte-americana mais conhecida por suas gravações em estilo disco dos anos 70, que deram a ela o título de Rainha da Disco. Com 37 anos de carreira, estima-se que tenha vendido mais de 130 milhões de cópias de seus discos. Summer foi um caso raro na cena disco', pois sua carreira iniciou-se antes da "explosão" daquele estilo, e continuou após aquela fase. Apesar de ela ser uma das mais conhecidas artistas da "Era Disco'", seu repertório incluiu diversos gêneros, incluindo "rhythm'n blues" e rock, tendo ganho prêmios "Grammy" nestas categorias. Seu trabalho ainda é aplaudido pela crítica e ela permanece como uma das poucas artistas da Era Disco' ainda aceitas pela crítica atual. Summer começou cantando no coral da igreja que freqüentava. Mais tarde juntou-se a um grupo de rock chamado The Crow. Poucos meses antes de concluir o ensino médio, Summer deixou o curso e se juntou à produção alemã do musical Hair. Posteriormente mudou-se para a Europa, participando de vários musicais. Em 1971, lançou a música "Sally Go 'Round the Roses", seu primeiro trabalho solo, sem sucesso. Após conhecer Giorgio Moroder e Pete Bellotte, lançou seu primeiro LP, Lady of the Night em 1975, com algum sucesso na Europa. Sua música Love to Love You Baby foi um grande "hit" no continente. A gravadora Casablanca Records começou a distribuir o álbum nos EUA, tornando-a uma sensação por lá também. Em 1977, gravou o disco, I Remember Yesterday que incluía o sucesso "I Feel Love", a primeira música de sucesso com acompanhamento inteiramente feito por sintetizador. Esta música, de enorme sucesso, influenciou o desenvolvimento da "disco' music" e do techno, graças às inovações introduzidas por Moroder. Depois de atuar (e ganhar um Grammy pela trilha sonora) na comédia Thank God It's Friday ("Até que enfim é sexta-feira"), Summer lançou um álbum ao vivo, Live and More com outro enorme sucesso: MacArthur Park. Seu talento como compositora apareceu em Bad Girls (1979), e também em "Hot Stuff", ganhadora de outro Grammy. A música On the Radio, também de 1979, chegou a n-o 1 nas paradas americanas. Em 1983, como parte do acordo judicial assinado com a Casablanca Records, Summer lançou o álbum She Works Hard for the Money, com produção de Michael Omartian. Em relativo ostracismo, Donna Summer voltaria ao posto de diva da dance music através do álbum Another Place and Time, sob produção dos "hitmakers" ingleses Stock, Aitken e Waterman, mentores de artistas como Rick Astley e Kylie Minogue. Faixas como "This Time I Know It's For Real", "Love's About To Change My Heart" e "I Don't Wanna Get Hurt" ganharam as paradas de sucesso internacional. Curiosamente, no Brasil, a canção "Breakaway" tornou-se um grande sucesso, talvez um dos maiores da cantora no país, mas apenas 3 anos depois, em 1992, com a primeira visita da cantora para uma turnê. Morreu em 17 maio de 2012,  aos 63 anos de idade, na Flórida, vítima de câncer.

terça-feira, 15 de maio de 2012

"Década de 2010" (Música - Maria Rita)

 










Maria Rita

Maria Rita Camargo Mariano (São Paulo, 9 de setembro de 1977) é uma cantora e produtora musical brasileira, filha da cantora Elis Regina e do arranjador e pianista César Camargo Mariano. Maria Rita iniciou sua carreira com cerca de 24 anos, apesar de querer cantar desde os quatorze. O peso da carreira da mãe, bastante famosa no Brasil, influenciou o adiamento de sua obra. Segundo a própria: sempre tive a consciência de ser a única filha mulher de uma grande cantora. Antes de se tornar cantora profissional, ela fez um estágio em uma revista para adolescentes, tendo estudado Comunicação social e estudos latino-americanos na Universidade de Nova Iorque, nos Estados Unidos da América. Apesar do sucesso recente, consagrou-se como novo ícone da MPB. Ganhadora de seis prêmios Grammy Latino incluindo Grammy Latino de Melhor Artista Revelação, também já ganhou dois Prêmio Multishow de Música Brasileira, entre outros prêmios nacionais. Maria já vendeu 1,985 milhão de CDs e DVDs, somente no Brasil. Filha de Elis Regina e César Camargo Mariano, é formada em comunicação social e estudos latino-americanos nos Estados Unidos, onde viveu por muitos anos. Maria Rita começou a cantar profissionalmente aos 24 anos. Antes de lançar o primeiro CD, foi a vencedora do Prêmio APCA de 2002 como Revelação do ano. Seu primeiro disco, "Maria Rita", lançado em setembro de 2003 vendeu mais de um milhão de cópias em todo o mundo. O primeiro DVD, com o mesmo título e que foi para as lojas na primeira semana de novembro daquele ano, chegou à marca de 180 mil cópias. Ambos foram lançados em mais de 30 países, incluindo Alemanha, Argentina, Áustria, Bélgica, Canadá, Chile, Colômbia, Dinamarca, Equador, Finlândia, França, Inglaterra, Itália, Japão, Coreia do Sul, República Tcheca, México, Países Baixos, Noruega, Portugal, Suécia, Suíça, Taiwan e Venezuela. Maria Rita conseguiu, no Brasil, um Disco de Platina Triplo e um DVD de Diamante; em Portugal, CD de Platina. Além do reconhecimento de público e de crítica, Maria Rita venceu, em 2004, o Grammy Latino nas categorias Revelação do Ano, Melhor Álbum de MPB e Melhor Canção em Português ("A festa"); o prêmio Faz a Diferença, oferecido pelo jornal O Globo; o troféu da categoria Melhor Cantora do Prêmio Multishow; e o Prêmio Tim nas categorias Revelação e Escolha do Público. A canção "Encontros e despedidas", do seu primeiro CD, foi tema da novela "Senhora do Destino". No dia 14 de setembro de 2007, Maria Rita lançou o seu terceiro CD "Samba Meu", produzido por Leandro Sapucahy e co-produzido pela própria cantora. O CD teve lançamento simultâneo nos Estados Unidos, América Latina, México, Portugal, Israel e Reino Unido. Em abril de 2008, a ABPD concedeu o Disco de Platina a "Samba Meu" pelas mais de 190 mil cópias vendidas do CD. O álbum, que foi o décimo CD mais vendido em 2007, também ganhou o prêmio de "melhor CD" no 15º Prêmio Multishow de Música Brasileira. O prêmio Grammy Latino é realizado desde 2000, para homenagear os artistas da música da América Latina. Maria Rita ganhou no total seis Grammys, incluindo Grammy Latino de Melhor Artista Revelação - sendo a única cantora brasileira a ganhar nesta categoria, e tendo três indicações. Maria Rita protagonizou o projeto "Viva Elis", que marcou os 30 anos da morte da cantora, e os shows teve entrada gratuita e contou ainda com exposição inédita sobre a eterna diva da MPB. A exposição trouxe mais de 500 fotos de Elis Regina, além de entrevistas, ingressos, posters de shows, vídeos de apresentações ao vivo, especiais de televisão, objetos pessoais, revistas e jornais da época. Esta é a primeira vez que Maria Rita se dedica a repertório composto exclusivamente por canções famosas na voz de Elis. O Rio foi a última cidade a receber a turnê "Viva Elis" que já passou por Porto Alegre, Recife, Belo Horizonte e São Paulo. No total, foram 25 músicas de Elis Regina interpretadas por Maria Rita que se dividiu no papel de cantora e de filha para uma homenagem à Elis (mãe e cantora), num show gratuito no Aterrro do Flamengo no dia 13 de Maio de 2012, Dia das Mães.

sábado, 12 de maio de 2012

Curiosidades (Maria, a Maior de todas as Mães)


"Maria"
A Maior de todas as Mães

Nossa Senhora

Estes dois últimos séculos pode até ser chamado de “século feminino”. Onde as mulheres têm ganhado cada dia mais espaço. Mulher na Presidência, Mulher na Prefeitura, Mulher Motorista de Caminhão, Mulher na Oficina, Mulher Executiva, Mulher na Construção Civil, etc. Porém, este privilégio não é da nossa geração. Foram necessário, décadas de muita luta para cada conquista alcançada. Mas, houve uma mulher que teve o seu valor reconhecido e foi respeitada, há muitos séculos atrás, dela falamos muito, pode até ser considerada a mulher mais famosa de todos os tempos. Foi Maria, a mãe de Jesus Cristo. Ela era uma mulher forte, e decisiva na história da humanidade pós Cristo. A virgem engravidará e dará à luz um filho ... Mas José não teve relações com ela enquanto ela não deu à luz.. E ele lhe pôs o nome de Jesus.” (Mateus 1:23-25). Por isso nessa data tão importante para todos, (Dia das Mães), escolhi homenagear, em nome de todas as mães, "Maria", a maior de todas elas. A coragem de Maria é um exemplo, virgem naquela época sem liberdade de expressão e muito menos corporal, noiva, e aparece grávida. De quem? Um tal Espírito Santo que ninguém conhecia, nem ouvira falar direito. Como dizer ao noivo, que ela havia sido visitada por este Espírito que diz a ela como seria sua gravidez, e nome do bebê. Precisava muita coragem para dizer SIM ao Espírito Santo. Pois Ele jamais a forçaria a tal situação se em seu coração ela não estivesse disponível ao preço que seria pago diante daquela sociedade. Ela enfrentou tudo, José por sua vez também visitado pelo mesmo Espírito assumiu seu papel de pai. E Maria teve o Salvador. Você ficará grávida e dará à luz um filho, e lhe porá o nome de Jesus... será chamado Filho do Altíssimo." Maria pergunta ao anjo Gabriel: "Como acontecerá isso, se sou virgem?" O anjo respondeu: O Espírito Santo virá sobre você, e o poder do Altíssimo a cobrirá com a sua sombra. Assim, aquele que nascer será chamado santo, Filho de Deus.” (Lucas 1:26-35). Sua caminhada de mãe e mulher não foi diferente das outras, cumpriu seu papel de esposa e mãe. Ao filho, ensinou a dar os primeiros passos, a falar, ser obediente, ser um grande homem, mesmo sabendo de sua missão e como esta terminaria. Na morte de Cristo na Cruz do Calvário. Maria volta a mostrar sua força materna. Vê um filho morrendo sem culpa, sem pecados. Morrendo pelos pecadores de sua época e de épocas vindouras que ela nem sabia quem seria. Não desanimou, seguiu seu filho firme e forte, chorando muito é claro, pois a mãe não aprendeu a perder seu filho, mesmo sendo Ele o Salvador. Mas ela continuou sua caminhada até deixá-lo no sepulcro, sozinho (aparentemente). Mas na sua ressurreição ela confirma. Sua não foi um sonho nem ilusão, e que todo seu trabalho como mãe e serva de Deus não foi em vão. Ali estava o SALVADOR do mundo. Seu Filho. Filho de Deus. A você Mãe, mire-se no exemplo dessa Mulher, dessa Mãe Guerreira, que educou seu filho para o mundo, mesmo sabendo de sua missão que o levaria a morte. Não importa como ele(a) será, crie seu filho apenas para ser um(a) grande ser humano, um(a) grande cidadão (cidadã). PARABÉNS à todas as Mães que abdicam de suas próprias vidas pelos seus filhos e quando quiseres fraquejar lembrem-se de Maria Mãe de Jesus, ela é o nosso eterno exemplo de vida.

sexta-feira, 11 de maio de 2012

Pensamentos (Paulo Coelho)



Pensamentos

Embora meu objetivo seja compreender o amor,
e embora sofra por causa das pessoas
a quem entreguei meu coração,
vejo que aqueles que me tocaram a alma
não conseguiram despertar meu corpo,
e aqueles que tocaram meu corpo
não conseguiram atingir minha alma.

"Década de 2010" (Tragédia - Acidente com Pedro Leonardo)


Pedro Leonardo











Pedro Leonardo Dantas da Costa (Anápolis, 29 de junho de 1987) é um músico e ator brasileiro, membro da dupla Pedro e Thiago. É filho do cantor sertanejo Leonardo e primo de Thiago, seu parceiro musical. Em 2002 lançou, junto com seu primo Thiago, o álbum Toque de Mágica, tendo a faixa de mesmo nome. Em 2002, Marlene Matos convidou a dupla para participar do projeto Jovens Tardes (Rede Globo) durante duas temporadas, aumentando, assim, a divulgação do trabalho do como cantor. Em 2004, fez uma participação no filme infantil Cine Gibi. Em 2005, atuou no filme Dois filhos de Francisco fazendo o papel de seu pai, o cantor Leonardo. Em 2009, participou do reality show A Fazenda, foi eliminado na última semana do programa. É pai de Maria Sophia, nascida no início de maio de 2011. A menina é a primeira neta do cantor Leonardo. O cantor estava sozinho e voltava de um show em Uberlândia quando capotou o veículo. O acidente aconteceu por volta das 6h30, no dia 20 de abril, no km 26 da rodovia MG 452, na região de Tupaciguara, em Minas Gerais. Pedro Leonardo foi levado às pressas à UTI (Unidade de Terapia Intensiva). No dia 26 de abril, ele recebeu a visita de uma equipe do Hospital Sírio-Líbanês, que fez uma avaliação da saúde do cantor para verificar a possibilidade de transferi-lo à capital paulista. Foi necessário um avião equipado com uma UTI para trazer o jovem ao Hospital Sírio Libanês, ainda no dia 26. Ele chegou em uma ambulância escoltada pela PM e pela CET (Companhia de Engenharia de Tráfego). O médico Roberto Kalil Filho, um dos coordenadores da equipe responsável pelo tratamento do cantor Pedro Leonardo, afirmou nesta quarta-feira (9/5/2012), que a recuperação do jovem é lenta e que não é possível estipular uma data para melhora. Ele admitiu que o sertanejo poderá ter sequelas, mas não há como prever, neste momento, quais seriam. Ele afirmou ainda que o resultado da ressonância magnética feita nesta segunda-feira (7/5/2012) apontou alterações "compatíveis com o trauma que o cantor viveu" e com a falta de oxigênação no cérebro. A evolução do Pedro será lenta. Pode durar meses, semanas. O estado de saúde do artista é estável e ele está sendo acompanhado por neurologistas, ortopedistas e fisioterapeutas. Kalil ainda informou que Pedro não será submetido à cirurgia no fêmur neste momento, porque "não há urgência." Nesta terça-feira (8/5/2012), a assessora de imprensa do cantor Leonardo, Ede Cury disse também que o cantor Pedro Leonardo reage à presença do pai toda vez que ele o visita. Todas as vezes que o Leonardo entra na UTI ele abre o olho, fica com o braço arrepiado, mexe a mão, e agora vem fazendo isso mais vezes. Não sei se é energia dele, aquela coisa de pai mesmo, é impressionante. A assessora de Leonardo, Ede Cury, contou que Pedro acordou ao ser instigado pela mãe, Maria Aparecida Dantas. "Pedro, fala oi para a mãe! Aí ele virou e falou: 'Oi, mãe'", disse Ede. Ao ser questionado pelos médicos sobre quem era o pai dele, sorriu e respondeu: "Leonardo". O cantor Pedro Leonardo, de 25 anos, teve alta e deixou na tarde de segunda-feira (9/07/2012) o Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo. O jovem ficou mais de dois meses internado no centro médico paulistano, onde se recuperou de um grave acidente de carro ocorrido em 20 de abril. Mais cedo, o primo e dupla de Pedro, Thiago, falou sobre a recuperação dele. "Para quem não acredita em milagre, está aí um milagre", afirmou. "Vamos comemorar e agradecer a Deus. É muita emoção." O pai do cantor também foi ao hospital. "Queremos agradecer a Deus, agradecer desde o primeiro telefonema que foi dado ao Corpo de Bombeiros", disse Leonardo.






quinta-feira, 10 de maio de 2012

"Década de 2010" (Personalidades - Marieta Severo)




Marieta da Costa Severo Freire (Rio de Janeiro, 2 de novembro de 1946) é uma respeitada atriz brasileira de cinema, teatro e televisão. Foi casada com o compositor Chico Buarque, com quem teve três filhas (Sílvia, Helena e Luísa). Uma delas, Sílvia, seguiu a mesma carreira da mãe.
Atualmente é casada com o diretor Aderbal Freire Filho. Sonhava em ser bailarina e por isso estudou balé clássico durante muitos anos. Mudou de idéia aos 16, quando conheceu o curso de teatro do Tablado e a professora Maria Clara Machado. Então, decidiu investir na carreira de atriz. Em 1965, foi acompanhar uma amiga em um teste para uma peça e acabou sendo convidada pelo diretor Luiz Carlos Maciel para um papel no filme Society em Baby Doll. Na mesma época, estreou também no teatro com a peça Feitiços de Salém Filha de um desembargador, não demorou muito para dar as caras na televisão. Em 1966, aos 19 anos, foi chamada para integrar o elenco da novela O Sheik de Agadir, da recém-inaugurada TV Globo, na pele da princesa árabe Éden. No ano seguinte, participou da novela O Homem Proibido e atuou no filme Todas as Mulheres do Mundo. Em 1978, atuou no filme Chuvas de Verão e na peça Ópera do Malandro, e em 1979, esteve em cartaz com o longa Bye Bye Brasil. Em 1983, após 18 anos, voltou à TV Globo e trabalhou em duas produções da emissora: a minissérie Bandidos da Falange e a novela Champagne. Demorou a se firmar como intérprete de televisão. Em 1984 fez a perigosa e ambiciosa Catarina de Vereda Tropical. Em 1985, interpretou Suzana, a ex mulher do costureiro Ariclenes, de Luis Gustavo, com quem vivia uma relação de amor e ódio, rendendo cenas hilárias à novela Ti Ti Ti. Em 1989, encarnou a nobre Madeleine de Que Rei Sou Eu?. Em 1992, mais uma vez despomta como a antagonista principal de uma novela ao dar vida a perversa Elvira de Deus nos Acuda. Também em 1995, foi protagonista do filme Carlota Joaquina, Princesa do Brazil, um marco da retomada do cinema nacional de qualidade.  Posteriormente, em 2000, fez a sofisticada Alma, de Laços de Família, que lhe rendeu o prêmio de Melhor Atriz pela Associação Paulista de Críticos de Arte. De 2001 até os dias atuais, trabalha no seriado A Grande Família, exibido às quintas-feiras pela Rede Globo, no qual interpreta brilhantemente a dona-de-casa Dona Nenê, ao lado de Marco Nanini. Em 2002 a atriz recebeu o prêmio Oscarito, pelos 37 anos de carreira dedicados ao cinema brasileiro; são mais de 30 filmes em seu currículo. Em seguida, no ano de 2004, filmou Cazuza - O Tempo Não Pára, onde interpretou Lucinha Araújo, mãe do cantor Cazuza. Em 2007, as duas estrearam o espetáculo As Centenárias e, no mesmo ano, estavam na versão cinematográfica de A Grande Família. No teatro, com mais de 40 anos de palco, foi premiada duas vezes com os prêmios Mambembe e Molière, e uma vez com o Prêmio Shell. Marieta é reconhecida pela crítica como uma das mais competentes atrizes em todos os segmentos de atuação: o palco, o cinema e a TV. Marieta Severo irá interpretar Dilma Rousseff no cinema, no filme homônimo baseado na obra A 1ª Presidenta, do escritor e jornalista Helder Caldeira. O filme tem estreia prevista para dezembro de 2012.